Gestão municipal diminuiu seus gastos na área em 56,25%, de acordo com dados disponibilizados pelo Tribunal de Costas do Estado

A vereadora Dani Portela utilizou a tribuna da Câmara dos Vereadores do Recife nesta segunda (7) para debater o relatório da avaliação do cumprimento das metas fiscais do município, relativas ao 3º quadrimestre de 2021. O documento foi apresentado pela secretária de finanças Maíra Fischer e aprovado em reunião da Comissão de Finanças e Orçamento da Casa, no dia 23 de fevereiro. Durante sua fala, a vereadora destacou a redução drástica das despesas da gestão João Campos na área de segurança, com a diminuição de 56,25% dos valores gastos em 2021, em relação ao ano anterior.

“Posso destacar que a Secretária nos mostrou que a Prefeitura está cumprindo suas metas fiscais porque tivemos, por um lado, uma significativa melhoria da atividade econômica regional e nacional; por outro lado, tivemos muita redução de despesas no município. No entanto, as escolhas para essa redução não me parecem as melhores”, afirmou. Um dos pontos levantados pela vereadora foram as despesas orçamentárias na área da segurança pública, disponíveis no Tribunal de Contas do Estado. Em 2019, foram pouco mais de 4 milhões de reais; em 2020, 3 milhões e meio; e, em 2021, foram investidos apenas 1 milhão e meio nesta função orçamentária. “Isso representa uma redução de 11,81% em 2020 e uma redução ainda maior no ano passado, quando o município informou ao Tribunal de Contas ter gasto menos da metade do orçamento que foi dedicado à segurança pública no ano anterior. A redução de despesas classificadas na função “segurança pública” em nossa cidade foi de 56,25% no ano 2021”, explicou a vereadora.

Dani reforçou que um dos fatores mais destacados pela gestão municipal foi a reforma da previdência dos servidores. “Na apresentação da secretária, a Prefeitura parecia “obrigada” a agir da forma que agiu em relação à Previdência. Vale salientar que estados e municípios podem adotar regimes próprios de Previdência Social, a partir da votação de reformas em cada ente federativo. Tendo o poder em suas mãos, o PSB preferiu seguir o caminho da redução de direitos das trabalhadoras e dos trabalhadores de nossa cidade”, finalizou.